14 alimentos fundamentais – e o que fazer se o seu filho não gostar deles

Revista Crescer – SP – ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

Eles dão energia, fortalecem a imunidade do seu filho e beneficiam o desenvolvimento.

Para não ficar doente

1. ACEROLA
Essa frutinha é riquíssima em vitamina C, principal nutriente quando falamos em prevenção de gripes e resfriados. Não é à toa que sempre nos lembramos dela quando o nariz começa a escorrer. A acerola crua tem maior concentração dessa vitamina, mas a boa notícia é que a polpa congelada ainda apresenta índices elevados dela. Por isso, aposte em sucos geladinhos! Um copo de 200 ml ou uma xícara de chá da fruta já tem 100% das recomendações diárias de vitamina C.

Receita infalível
Uma sugestão diferente é servir a acerola cozida com alguns temperos (como tomilho) e usar a calda, salgada mesmo, como molho para peixes ou aves.

Se o seu filho não gostar de acerola
Substitua por frutas cítricas, como limão e laranja.

2. FÍGADO
Não é à toa que esse tipo de carne é tão citado quando o assunto é alimento nutritivo. Além de ser riquíssimo em ferro, o fígado de boi ou de galinha também é fonte de cobre, mineral responsável por reforçar as defesas do organismo. Um bife de fígado contém as doses recomendadas.

Receita infalível
O que normalmente incomoda as crianças é o sabor amargo do fígado. A dica para neutralizar esse gosto é deixá-lo de molho em suco de limão por cerca de quatro horas antes de preparar. Para a criança que não o aceita de jeito nenhum, a saída é usá-lo moído, misturado com outra carne moída, nas papinhas ou em hambúrgueres caseiros.

Se o seu filho não gostar de fígado
Frutos do mar, como ostra, caranguejo e lagosta, são boas fontes de cobre. Mas esses alimentos só devem ser introduzidos na dieta infantil a partir de 1 ano e em pequenas quantidades, uma vez que podem desencadear alergias.

Para crescer forte

3. LEITE
Fundamental para a formação de ossos e dentes, o cálcio, muito presente no leite e seus derivados, também é importante para a saúde dos músculos, pois age nas fibras. Esse nutriente é um dos poucos em que a quantidade diária a ser ingerida varia bastante na infância: vai de 270 mg no primeiro ano de vida para 800 mg aos 8 anos. Para se ter uma ideia, 200 ml de leite têm 230 mg de cálcio.

Receita infalível
Leite bem gelado batido no liquidificador é uma opção deliciosa e que tem cara de milk shake! Para cada copo de leite, junte uma colher de sopa rasa de cacau em pó e outra de mel (mas só a partir de 1 ano de idade).

Se o seu filho não gostar de leite
Prepare sanduíches com queijo, misture iogurte com frutas, ofereça torrada com requeijão no café da manhã.

4. PEIXE
Esse alimento deve estar no prato do seu filho (a partir de 6 meses de idade) de uma a duas vezes por semana, variando as espécies e prestando atenção em reações alérgicas. Ele é rico em vitamina D, nutriente fundamental para a calcificação normal do esqueleto, pois ajuda na absorção do cálcio. As espécies de água fria, como atum, salmão e sardinha, também são fonte de ômega 3, essencial para o desenvolvimento cerebral. Prefira os com poucos espinhos, como salmão e cação.

Receita infalível
Toda criança adora comer espetinhos. Então, por que restringi-los apenas ao churrasco? Inove e faça espetinhos de peixe. Só tome cuidado com o palito.

Se o seu filho não gostar de peixe
Invista também nos queijos e na gema de ovo, que pode ser introduzida na dieta infantil a partir dos 6 meses e meio.

Para ter energia

5. FEIJÃO
Esse alimento deve fazer parte do dia a dia do seu filho desde as primeiras receitas, pois é fonte de ferro, essencial na formação das hemoglobinas (responsáveis por transportar o oxigênio) e no combate à anemia, além do ácido fólico. Duas dicas quando falamos de feijão: oferecê-lo com algum alimento rico em vitamina C (como a couve), que aumenta a absorção do ferro de origem vegetal, e apostar na clássica dobradinha “arroz com feijão”. Eles realmente se completam, pois um aminoácido que não tem em um, tem no outro, e assim eles geram importantes proteínas para o funcionamento dos músculos.

Receita infalível
Institua na sua casa o dia da feijoada, que pode ser às quartas-feiras ou aos sábados, para seguir o calendário tradicional do nosso país. O prato não precisa seguir à risca a receita original, que é pesada. Feijão preto, farofa e laranja já criam o clima. Vale até colocar um bom samba como trilha sonora!

Se o seu filho não gostar de feijão
Tente outras leguminosas, como lentilha, ervilha ou grão de bico. Carne vermelha e legumes verdes, como brócolis e espinafre, também funcionam.

6. ARROZ
Rico em carboidratos, também é fonte de vitamina B1, fundamental para a transformação de açúcar em energia. É difícil uma criança não gostar de arroz, por isso aproveite os benefícios desse alimento. O branco tem mais carboidratos, mas a versão integral conserva mais nutrientes. Vale variar entre as duas no cardápio.

Receita infalível
Aposte nos risotos para deixar o arroz colorido! Você pode usar açafrão, cenoura ou ervilha, por exemplo, para variar as tonalidades.

Se o seu filho não gostar de arroz
Aposte em outros grãos integrais e, se ele for maior de 1 ano, na carne de porco.

7. BATATA
Seja a inglesa (mais comum), a vermelha ou a batata-doce, ela é uma excelente fonte de vitamina B5, que atua no metabolismo de carboidratos e proteínas e na transformação deles em energia. Ela deve estar presente na alimentação do seu filho desde as primeiras papinhas. Mas nada da versão frita! Faça cozida, assada ou em forma de purê.

Receita infalível
Que tal uma brincadeira para despertar a atenção do seu filho para esse tubérculo? Sugira o jogo da “batata quente”, mas, em vez de usar uma bola de meia ou uma almofada, use uma batata crua e aproveite para apresentar o alimento.

Se o seu filho não gostar de batata
Brócolis, ervilha e tomate também apresentam boas doses de vitamina B5, assim como a carne bovina e a de frango.

Para proteger as células

8. CARNE VERMELHA
Rica em proteínas e diversos nutrientes, como o ferro, o zinco e a vitamina B12, que mantém as células vermelhas e nervosas do sangue saudáveis. Se você é vegetariano e quer que seu filho também seja, converse com o pediatra para ver se é necessária a suplementação dessa vitamina, essencial para o desenvolvimento infantil.

Receita infalível
Bola, bolinha, bolão! Aposte nessas formas para acrescentar a carne à alimentação do seu filho de maneira divertida. Dá para fazer bolinhos de carne assados que são deliciosos e, além de tudo, a criança pode comer com a mão, coisa que elas adoram.

Se o seu filho não gostar de carne vermelha
Tente ovos, leite e seus derivados.

9. BANANA
Riquíssima em fibras e potássio, mineral que ajuda a equilibrar a quantidade de água nas células, além de regular as contrações musculares e o ritmo cardíaco. É, normalmente, uma das frutas preferidas das crianças. Uma banana-prata por dia já supre as necessidades de potássio. Tente não desperdiçar a casca! Ela possui o dobro desse nutriente do que a polpa da fruta. Reaproveite-a para fazer pão ou bolo de banana, por exemplo.

Receita infalível
Aproveite o churrasco de domingo para oferecer ao seu filho a banana de um jeito diferente. Coloque a fruta com casca na churrasqueira, até ficar preta. Depois, tire a polpa e sirva com açúcar mascavo e canela.

Se o seu filho não gostar de banana
Ofereça a ele água de coco, tomate e frutas como abacate e melancia.

Para turbinar o cérebro

10. MILHO
Em uma xícara de chá de seus grãos há a dose diária necessária de vitamina B6, indispensável ao bom funcionamento do cérebro e, portanto, para a memória e a concentração da criança. Também é essencial para as células, pois previne a formação de coágulos. Você pode fazer um gostoso creme ou bolo de milho, acrescentá-lo à salada ou oferecer a espiga cozida (sem exagerar no sal!), se seu filho já for grandinho para morder e mastigar.

Receita infalível
Que tal uma festa junina fora de hora? Essa tradicional comemoração tem várias receitas que usam milho em seu cardápio, como curau, pamonha ou apenas cozido.

Se o seu filho não gostar de milho
Peixe fresco, nozes, cereais integrais, melancia, soja e carne de soja são outras fontes de vitamina B6.

11. ESPINAFRE
Rico em vários nutrientes, entre eles o zinco, conhecido como “mineral da inteligência”. Ele atua no controle cerebral, sendo importante também para a memória e a concentração. Três colheres de sopa por dia já bastam e você pode prepará-lo de diversas formas, como em molhos, recheio de massas e tortas, sopas, cremes… Assim seu filho não vai poder reclamar de comer todo dia a mesma coisa!

Receita infalível
Faça da sua ida à feira ou ao supermercado um passeio com seu filho. Peça a ajuda dele para escolher os alimentos e aproveite para ensinar o nome de cada um. Não se esqueça de falar que o espinafre pode ajudá-lo a aprender ainda mais na escola!

Se o seu filho não gostar de espinafre
Carnes vermelhas, sardinha, soja e feijão também possuem boas doses de zinco.

Para o machucado sarar mais rápido

12. ALFACE
Essa verdura indispensável em qualquer saladinha básica é rica em vitamina K, nutriente essencial para a coagulação sanguínea, para a prevenção de hemorragias e para garantir a saúde dos músculos. Varie os tipos da folha (lisa, crespa, roxa, americana) para seu filho não enjoar.

Receita infalível
Escolha um dia da semana e, no lanche, faça a “hora do sanduíche”. Pode ser de pão sírio com atum, hambúrguer (de carne ou soja) com queijo e tomate… qualquer opção pede uma folha de alface. E provavelmente seu filho não vai reclamar!

Se o seu filho não gostar de alface
Experimente oferecer outros vegetais de folhas verdes, como brócolis e espinafre.

13. MAMÃO
Essa fruta popularmente conhecida como aliada no combate à prisão de ventre também tem propriedades anti-inflamatórias e cicatrizantes. Isso porque, além de ser fonte de vitamina A, ela é rica em vitamina C e papaína, uma enzima que torna mais rápido o processo de cicatrização. Ela está mais presente na parte interna da casca, por isso, quando seu filho voltar da escola com o joelho ralado, corte um pedaço da casca do mamão e coloque sobre o machucado três vezes ao dia, por aproximadamente 15 minutos.

Receita infalível
Sabe aqueles biscoitos em forma de estrela, flor e coração? Você pode fazer isso com o mamão (e outras frutas). Use os próprios cortadores de biscoito, facilmente encontrados em lojas de utensílios para festa ou cozinha.

Se o seu filho não gostar de mamão
Aposte em tomate, couve e repolho.

Para enxergar melhor

14. CENOURA
Rica em vitamina A, conhecida como “vitamina da visão”. Ela leva esse nome porque tem papel importante na manutenção do globo ocular e estimula a produção da púrpura visual, que auxilia na percepção de cores e formas. Prefira oferecê-la cozida ou assada (um pires de cenoura cozida por dia é suficiente), pois o calor aumenta a absorção dessa vitamina. Se quiser, apenas lave e raspe levemente a casca, pois é ali que se encontra a maior quantidade de vitamina. Vale lembrar que se seu filho comer cenoura todo dia não quer dizer que não vá ter problemas de visão no futuro.

Receita infalível
Bolo de cenoura com cobertura de chocolate é, sem dúvida, uma excelente tática, mas não vale recorrer a ela toda vez que quiser oferecer esse legume ao seu filho. Uma boa dica são aquelas cenourinhas baby em palito, que são fáceis de carregar e práticas na hora de comer.

Se o seu filho não gostar de cenoura
Outros alimentos de tons amarelo ou alaranjados, como abóbora, manga e pêssego, são boas pedidas.

Precisa de mais?

Posso dar suplementos para o meu filho? A resposta vai depender muito de cada caso e só o pediatra pode dizer. “Existe a crença de que vitaminas aumentam o apetite e o ânimo da criança, mas isso nem sempre é verdade. Suplementos mal indicados podem fazer mal”, afirma a pediatra Denise Lellis. Segundo ela, a única suplementação de rotina são as vitaminas A e D em gotas, para bebês desde 14 dias de vida até 2 anos de idade. O objetivo é suprir a falta de vitamina A (carente em 30% das crianças devido ao rápido crescimento e à maior incidência de doenças infecciosas nessa faixa etária) e evitar o raquitismo nas regiões Sul e Sudeste do país, que recebem menor incidência de raios solares (principal fonte de vitamina D).

Fontes consultadas: Christiane Araujo Chaves Leite, pediatra membro do Departamento deNutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria; Elza Mello, nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia ; Juarez Nunes Callegaro, psiquiatra e autor de Mente Criativa: A Aventura do Cérebro Bem Nutrido (Ed. Vozes); Pat Feldman, culinarista e autora do site Crianças na Cozinha; Rachel Francischi, nutricionista da Casa Moara, em São Paulo (SP); Sônia Tucunduva Philippi, nutricionista e professora da USP; Susy Graff, nutricionista da Nutrikids, em São Paulo (SP); Victor Nudelman, pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo (SP)

Posted in: