Diabetes mellitus: o que é, quais são seus sintomas e seus cuidados

A diabetes mellitus, popularmente conhecida apenas como diabetes, é uma doença que, muitas vezes, foge aos nossos olhos. Considerada um problema grave mundialmente, ela é um assunto de saúde pública que merece atenção.

Segundo pesquisas, nos últimos 10 anos, o número de pessoas que sofrem com a doença cresceu mais de 61% só no Brasil. O Ministério de Saúde estima que as mulheres são mais afetadas pela diabetes. Em relação às cidades que possuem maior número de diabéticos, o Rio de Janeiro é que lidera o ranking: 10,4 casos para cada 100 mil habitantes. 

Com dados tão alarmantes, só nos resta descobrir quais os sintomas e quais os cuidados que devemos ter para evitar a diabetes mellitus. Confira neste post!

O que é a diabetes mellitus?

A diabetes é a incapacidade de metabolizar de forma correta a glicose (açúcar) do organismo. Isso acontece quando o pâncreas não produz ou tem alguma deficiência na produção de insulina  hormônio que insere a glicose dentro da célula.

Desta forma, quando a insulina não atua na redução da glicemia, o açúcar presente no sangue se multiplica nas células, provocando a diabetes.

Sem tratamento, à medida que a doença evolui, várias complicações começam a surgir. Vasos sanguíneos, nervos, olhos e rins se tornam prejudicados diariamente até a completa paralisação. Uma vez que se controla a diabetes, muitos problemas podem ser evitados.

Existem diferentes tipos de diabetes?

A diabetes mellitus pode ser encontrada em 4 tipos: pré-diabetes, tipo 1, tipo 2 e gestacional.

Tipo 1

Manifesta-se desde a infância. Trata-se de quando o próprio organismo não é capaz de produzir a insulina.

Tipo 2

A diabetes desse tipo surge por volta dos 40 a 50 anos e está relacionada ao estilo de vida de seu portador. O excesso de carboidratos simples, hábitos alimentares ruins e sedentarismo são alguns dos fatores que agravam a doença, provocando a redução da produção de insulina.

Pré-diabetes

Relacionada ao tipo 2, nesse caso, o organismo desenvolve resistência à insulina  que é produzida no pâncreas — e a glicose começa a ter níveis mais elevados. Nessa fase, ainda é possível neutralizar a progressão da doença por meio de uma alimentação controlada e da prática de exercícios.

Diabete gestacional

Algumas vezes, as grávidas entram em uma condição de hiperglicemia, quando há o aumento das taxas de glicose no sangue. Apesar de ser grave e de também necessitar de cuidados, a diabetes gestacional pode desaparecer após o parto.

Quais os sintomas da diabetes mellitus?

Grande parte das pessoas não percebem os sintomas iniciais da doença e, muitas vezes, o diagnóstico chega tarde. Os sinais mais claros são infecções constantes na pele, que demoram a desaparecer ou não cicatrizam completamente, além de problemas de visão e vasculares. Ao longo do tempo, a diabetes mellitus pode causar lesões nos rins e fortes probabilidades de infarto ou AVC.

Alguns outros sintomas são:

  • Boca seca e sede excessiva;
  • Mal-estar e cansaço;
  • Perda de peso;
  • Visão turva.

Existe tratamento para diabetes?

A mudança de hábitos alimentares é um dos principais cuidados a se tomar. Fazer refeições balanceadas todos os dias e reduzir a ingestão de doces e carboidratos em excesso é um dos primeiros pedidos dos médicos.

Além disso, é preciso praticar exercícios físicos e abandonar o sedentarismo. Em fases iniciais, esses dois pontos alimentação e atividades físicas  podem ajudar a suspender o tratamento.

Para casos mais avançados, recomenda-se a aplicação de insulina ou medicamentos via oral para controlar a doença, que precisará ser acompanhada periodicamente por um médico.

Lembre-se de que os riscos de não tratar a doença incluem problemas cardíacos, vasculares, renais, cegueira, estados metabólicos instáveis e até a morte.

Tem algum desses sintomas da diabetes mellitus? Então agende já uma consulta com o seu profissional. Aproveite e entenda mais sobre o assunto. Leia o nosso artigo e descubra aqui 7 sintomas que podem indicar que a sua glicose está alta.

Posted in:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *