Hepatite B: saiba mais sobre a doença

Você sabia que a maioria das pessoas contaminadas pelo vírus da hepatite B nem, ao menos, apresentam os sintomas da doença? E, quando eles surgem são, facilmente confundidos com uma gripe e normalmente costumam ir embora sozinhos, sem a necessidade de um tratamento?

No entanto, engana-se quem pensa que ela não possa resultar em riscos a nossa saúde, pois ela pode sim, inclusive em complicação mais graves. Acompanhe o post que preparamos para você e fique por dentro dos detalhes dessa doença!

Mas afinal, o que é a hepatite B?

Antes de mais nada, é importante que você saiba que a hepatite B é uma infecção, que afeta os hepatócitos – as células do fígado – e é causada pelo vírus HBV, no qual se propaga pelo organismo através do sangue e de outros fluídos corporais.  

Uma vez infectada, a pessoa pode desenvolver as seguintes variantes da doença:

  • Hepatite aguda;
  • Hepatite crônica;
  • Hepatite fulminante.

Esta última é bastante rara, mas também muito perigosa.

Como se dá a transmissão?

Basicamente, há três vias de transmissão do vírus HBV: sexual, sanguínea e perinatal ou vertical. Dentre elas, as formas mais comuns são:

  • Relações sexuais sem preservativo;
  • Compartilhamento de seringas;
  • Uso de materiais contaminados em determinados procedimentos (alicate de cutícula e equipamentos para piercings e tatuagens);
  • De mãe para filho durante a gestação ou através do parto normal.

Além disso, o vírus da hepatite B está presente na saliva, porém, o contato a ela por meio de beijos não será suficiente para transmiti-lo. Entretanto, a transmissão pode ocorrer no caso de mordidas mais agressivas. 

Importante: embora o leite materno carregue o vírus, não há nada que comprove que a amamentação possa transmitir a doença. 

Quais são os sintomas?

Os sintomas da hepatite B nem sempre serão experimentados. Ocorre que, na maioria das vezes, a condição será caracterizada como aguda, ou seja, “passageira”, e pode passar desapercebida.   

Para que você tenha uma ideia, apenas 5% dos infectados permanecerão com o vírus HBV no organismo, por mais de seis meses, caracterizando, desse modo, uma hepatite crônica. De toda forma, quando os sintomas surgirem eles poderão se desenvolver, diferentemente para cada pessoa. Entre os principais sintomas estão:

  • Vômitos;
  • Febre;
  • Fadiga;
  • Náuseas;
  • Perda do apetite;
  • Dores abdominais;
  • Urina escura;
  • Fezes claras;
  • Icterícia (pele e olhos amarelados).

Como é realizado o diagnóstico?

O diagnóstico da hepatite B é realizado por meio de exames de sangue, após 60 dias da infecção pelo vírus. O ideal é fazer o exame anualmente, em qualquer posto de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). Se o resultado for positivo, o médico providenciará o tratamento mais adequado. Em casos específicos, uma biópsia do fígado pode ser necessária.  

Quais são os tratamentos?

De um modo geral, os tratamentos têm como objetivo amenizar os sintomas e evitar as possíveis complicações. Para um quadro de hepatite B aguda, muitas vezes bastará apenas permanecer em repouso. 

No entanto, quando a doença já se encontrar em um estágio mais avançado, será necessário fazer uso de medicações antivirais e o acompanhamento médico precisará ser intenso! Na maioria dos casos, em 6 meses a pessoa está livre do vírus.

Tenha em mente que, em situações nas quais a enfermidade está evoluída será preciso tratá-la com urgência. Caso contrário, ela poderá desencadear hepatite D, uma cirrose hepática ou, até mesmo, um câncer no fígado.   

Como prevenir a hepatite B?

O método mais seguro de prevenir a hepatite B é tomar as três doses da vacina contra o vírus HBV. Felizmente, é possível consegui-las, gratuitamente, nos postos de saúde. Tome a segunda dose 30 dias após a primeira e a terceira 5 meses após a segunda, tudo bem? 

Lembre-se de procurar um profissional em caso de suspeita de hepatite B. Não permita que a doença evolua, pois é fundamental evitar as complicações mais graves, que podem vir a ocorrer.

E você, conhece alguém que já foi contaminado pela hepatite B? Conte para nós, nos comentários abaixo, como foi o processo de recuperação dessa pessoa! 

Posted in:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *