Tudo o que você precisa saber sobre o pré-natal

Com a notícia da gravidez, a família passa por muitas emoções diferentes. É um momento único de felicidade, mas, ao mesmo tempo, os pais estão cheios de preocupações e dúvidas sobre o que está por vir.

A rotina de pré-natal é um excelente meio de avaliar a saúde da mãe e do bebê e também de sanar algumas dúvidas decorrentes desse período de gravidez. Ela não é nada complexa, mas são necessárias algumas regrinhas.

Alguns exames são imprescindíveis na vida da gestante, e outros devem ser realizados em períodos específicos da gravidez. Seguir um pré-natal bem-feito é uma prova de amor da mãe para o filho.

Você quer saber mais sobre o pré-natal e sua rotina? Neste texto, vamos explicar um pouco mais sobre esse período, os principais exames, o número de consultas, entre outras coisas. Acompanhe!

Número mínimo de consultas

Em geral, a primeira consulta acontece na descoberta da gravidez, mas o ideal seria que houvesse acompanhamento médico desde o momento em que a mulher despertasse para o desejo de ser mãe — ou cerca de três meses antes de engravidar.

Iniciar o pré-natal precocemente é excelente para a mãe e para o bebê. É possível iniciar a ingestão de ácido fólico, responsável por prevenir malformações como a anencefalia, além de avaliar se a vacinação da futura gestante está em dia e outras doenças preexistentes.

O Ministério da Saúde preconiza um número mínimo de seis consultas durante o período pré-natal, sendo elas divididas entre o primeiro, o segundo e o terceiro trimestres. Deve haver um maior número de consultas no terceiro trimestre, a fim de avaliar os riscos de prematuridade, eclâmpsia e outras várias intercorrências.

A gestante pode abonar todas as faltas no trabalho que forem necessárias para realização do pré-natal. Além disso, o pai pode se ausentar com dois dias de folga para acompanhar as consultas da mulher.

Vale lembrar que você pode realizar um número bem maior de consultas que o preconizado pelo Ministério da Saúde. O ideal é adequar o pré-natal às suas necessidades e às do seu bebê.

A primeira consulta

A primeira consulta é a mais demorada. É a hora de o médico conhecer todo o seu histórico e pedir uma gama enorme de exames. Ele vai avaliar seu quadro vacinal e sua situação de saúde por completo, visando prevenir complicações futuras durante a gestação. Os exames pedidos são:

  • hemograma completo;

  • tipagem sanguínea e fator Rh;

  • glicemia de jejum;

  • exame de urina e urocultura;

  • exame de fezes;

  • sorologias para hepatite B, toxoplasmose, HIV, sífilis e citomegalovírus;

  • papanicolau.

É na primeira consulta que iniciamos também a reposição de ferro para a gestante, a fim de evitar uma anemia. Podemos pedir o primeiro ultrassom, que é feito por via transvaginal e visualiza os primeiros indícios do feto no útero. Ele deve ser realizado a partir da sétima semana de gestação.

Com o primeiro ultrassom, vamos poder confirmar a gravidez, precisar a idade gestacional e compará-la com a data da última menstruação (DUM), observar se a gestação não é ectópica e saber se a gravidez é gemelar ou não.

Todos os exames laboratoriais devem ser realizados novamente a partir da 28ª semana de gestação. Além dos listados acima, deverá ser incluído o teste de tolerância à glicose, para não passar despercebido um diabetes gestacional. Seu médico poderá solicitar outros exames de acordo com seu caso específico.

Número de ultrassons

Na maioria das vezes, são solicitados um total de quatro ultrassons durante o período gestacional. Eles são divididos em obstétricos e morfológicos e vão variar em virtude da idade gestacional.

O primeiro ultrassom é transvaginal e realizado a partir da sétima semana de gestação. Já o segundo, também chamado de ultrassom com translucência nucal, é pedido entre a 11ª e a 14ª semanas e permite avaliar o bebê estruturalmente.

Esse segundo ultrassom avalia em particular um líquido contido na região da nuca do bebê. Quando sua quantidade ultrapassa os níveis de normalidade, pode indicar algumas doenças cromossômicas como a síndrome de Down.

É importante não ultrapassar a 14ª semana para realizar a translucência nucal, já que, a partir desse período, não é mais possível observar o líquido contido na cabeça do feto. O médico sempre deve solicitar outros exames diagnósticos para confirmar o resultado desse exame.

O osso nasal e o ducto venoso do bebê também podem ser avaliados por esse exame. Essas duas estruturas são utilizadas para busca de malformações. Além disso, já é possível escutar os batimentos do coração do bebê e mais uma vez avaliar a idade gestacional.

Na 20ª até a 24ª semana de gravidez fazemos o terceiro ultrassom, também chamado de morfológico. Com ele, já é possível avaliar os órgãos do bebê, como os rins, coração, pulmões e dedos das mãos.

É com esse ultrassom que vamos descobrir o tamanho do bebê e avaliar se existe alguma malformação. Podemos, na maioria das vezes, ver o sexo do bebê, momento muito aguardado pelos papais e mamães.

O quarto e último ultrassom tem como objetivo avaliar a posição do bebê na barriga da mãe. Ele é de extrema importância, pois também avalia a placenta e a quantidade de líquido amniótico. Tudo isso será relevante no planejamento do parto.

Vacinação e gestação

A mulher que está pensando em engravidar deve manter seu calendário de vacinação em dia. Algumas vacinas não podem ser tomadas durante o período gestacional, sendo importantes para resguardar o bebê de doenças congênitas. As proibidas são:

  • tríplice viral;

  • BCG;

  • catapora;

  • poliomielite;

  • caxumba;

  • sarampo.

As mamães que estão com o calendário de vacinação em atraso podem ser vacinadas contra hepatite B, difteria e tétano. Recomenda-se que isso seja feito após os três primeiros meses de gravidez. Já a vacinação contra o vírus Influenza deve ser realizada em todas as gestantes, mesmo no primeiro trimestre de gravidez.

O período de pré-natal é essencial para manutenção da saúde da mãe e do bebê. É importante que você sempre consulte seu médico, para que ele organize suas consultas de acordo com a sua necessidade e estilo de vida.

E aí, gostou do nosso texto e aprendeu um pouco mais sobre o período de pré-natal? Então é só curtir nossa página no Facebook para ficar por dentro de todos os nossos conteúdos!

 

 
Posted in:

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *